Blog

Luize Altenholfen e o Pitbull

Após quase um ano, volto a postar depois do episódio da agressão ao pitbull da modelo Luize Altenhofen, por um vizinho. Pela experiência que tenho com cachorros agressivos acredito que, pela ausência de ferimentos de mordedura no vizinho, não houve ataque do cão. A pessoa, com medo até justificável, resolveu agredir o cachorro, para prevenir um possível ataque, com uma barra de ferro. Porém se o cão estivesse em estado agressivo, duvido que a barra de ferro iria proteger a pessoa. A velocidade de um ataque rasteiro do pitbull iria resultar em um ferimento no vizinho, antes mesmo dele erguer a barra.
Difícil dizer se o ataque foi covarde, pois um pai daria a vida por seu filho e sua reação é imprevisível. Somente a consciência dele tem essa resposta. O que não é justificável é cometer um erro para reparar outro. Com raças grandes e fortes não podem haver descuidos e a modelo ao permitir que o pitbull saia da casa “para fazer xixi” ela colocou em risco, pessoas ou outro animal que pudesse estar passando pelo local, neste momento.
Pitbulls e outras raças poderosas podem ser extremamente dóceis com humanos, mas não tolerar outros cachorros, especialmente os machos, nesse caso temos um animal violento e forte, quase impossível de ser controlado,
Por isso, como sempre oriento os donos de raças fortes, o treinamento e o controle desses cães é primordial para evitar acidentes. Nesse caso em particular, a vítima foi o cão e os humanos envolvidos, os responsáveis. O ataque, covarde ou não, do vizinho foi gerado por um descuido da modelo que afirma que a filha abriu o portão eletronico, permitindo a saída do cachorro. Mas normalmente, esse descuido causa acidentes em pessoas ou outros animais.
A falta de informação, o medo que a mídia espalha especialmente sobre os pitbulls, gera comportamentos irracionais das pessoas que se encontram em uma situação como essa. Um cachorro em atitude agressiva, jamais deve ser enfrentado, principalmente se a pessoa tem a possibilidade de sair do ambiente onde o cachorro se encontra. Esse vizinho correu um enorme risco de se ferir seriamente, caso o cão realmente estivesse atacando.
Vamos aos fatos, ninguém anda carregando uma barra de ferro. Se a pessoa teve tempo de ir pegar esse objeto, também teve tempo de entrar e fechar o portão, protegendo-se definitivamente do cão. E o pior, se estivesse acompanhado do filho, a primeira reação seria de protegê-lo e depois atacar um pitbull de 30 kgs, que poderia colocar a criança em risco. Como
não estava lá e não vi a cena, não vou avaliar o comportamento da pessoa pois, como já disse, a consciência dele é sua verdade.
Para terminar, gostaria de dizer as pessoas que leem o blog e que possuem cães de raças poderosas que treinem e controlem seus cães. Eles, outros cães e até mesmos pessoas podem ser vítimas de situações causadas por pequenos descuidos que poderiam ser evitados se a obediência básica, principalmente do comando “fica”, fosse devidamente ensinado aos seus companheiros.

Veja matéria completa: http://http://interacaocanina.blogspot.com///

Comentários no Facebook